Oftalmologia Veterinária

O médico veterinário que atua na área de oftalmologia é quem irá avaliar e tratar as alterações oculares e de visão nos pets. Além da perda gradual da visão em cães e gatos com idade avançada, algumas doenças, congênitas ou adquiridas, podem ocasionar secreções oculares, lacrimejamento intenso e o surgimento de manchas ou vermelhidão nos olhos, por exemplo. O papel do veterinário oftalmologista é diagnosticar e tratar essas condições, melhorando a qualidade de vida dos pets.

Sintomas

Além dos sinais clínicos citados logo acima, os cães e gatos com alterações oculares podem apresentar olhos secos, piscar excessivamente, não piscar com um ou ambos os olhos, olhos saltados (não característicos da anatomia do pet), olhos inchados, sangramentos, pálpebras caídas, olhos embaçados ou azulados, alterações na retina, dificuldade visual, cegueira súbita e cegueira noturna, entre outros. No caso da perda de visão é comum perceber que o pet está trombando nos móveis da casa, com medo de descer da cama ou do sofá, com ausência de reflexos à estímulos visuais e até mesmo com medo de sair para passear (em pets que não possuem esse comportamento normalmente).

Doenças mais comuns

Algumas alterações oftalmológicas podem ter outras doenças em sua origem, como a hipertensão arterial, a cinomose, a leishmaniose visceral e as hemoparasitoses transmitidas pela picada do carrapato. Mas entre as oftalmopatias mais comuns entre cães podemos citar a catarata, ceratoconjuntivite seca, úlcera de córnea e glaucoma. As úlceras de córnea são mais comuns em cães com focinhos curtos e olhos saltados como Pequinês, Lhasa apso, Shih tzu e Pugs. Já o glaucoma tem mais incidência em cães da raça Cocker, Poodle, Basset Hound e Husky Siberiano, por exemplo.

Os gatos podem ter úlceras infecciosas (ceratite ulcerativa) decorrentes da gripe felina, além de uveíte infecciosa (uma inflamação intraocular) e sequestro de córnea secundário a vírus. Devido a anatomia do focinho achatado e curto, os gatos da raça Persa podem ter maior predisposição para o entrópio, que é quando a pele da borda da pálpebra ou os cílios ficam em contato constante com a córnea, causando irritação ou lesões. 

Tratamentos

O tratamento irá variar de acordo com cada afecção, mas pode incluir o uso de colírios e pomadas oftálmicas, medicamentos e intervenções cirúrgicas.

Atendimento no SOS Hospital Veterinário

O atendimento oftalmológico para os pets do SOS Hospital veterinário é realizado pelos médicos veterinários Géssica Ribeiro e Thiago Ferreira, mediante agendamento.

Géssica Ribeiro é graduada em Medicina Veterinária pela Ulbra de Canoas – RS, em 2014. Fez Residência em Clínica Médica de Pequenos Animais em 2016 e, posteriormente, mestrado em Oftalmologia pela UFRGS de Porto Alegre – RS em 2018.

Thiago Ferreira é graduado em Medicina Veterinária pela UDESC de Lages – SC, em 2008. Possui especialização em Oftalmologia Veterinária pela Universidade Federal do Paraná em 2009. Realizou a especialização em Anestesiologia Veterinária com ênfase em oftalmologia pela Faculdade de Jaguariúna, São Paulo em 2010. Aperfeiçoou-se em Ciências Básicas aplicadas a Oftalmologia Veterinária pelo Centro de Oftalmologia para Animales em Buenos Aires, Argentina em 2010. Mestre em Ciências Veterinárias com ênfase em Oftalmologia pela Universidade Federal do Paraná em 2015. Doutor em Ciências Veterinárias com ênfase em Oftalmologia Veterinária, em 2019.

Como está a
saúde do seu pet?

Agende sua consulta